Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos porno » Contos eróticos reais » Gang Bang – A minha Esposa Gozou em Outras Picas

Gang Bang – A minha Esposa Gozou em Outras Picas

Publicado em 3 de janeiro de 2023 por Lord Jorden

Gang Bang – A minha Esposa Gozou em Outras Picas

Meu nome é Wagner e sou casado com a Tina (Emerentina), há   12 anos, tendo a sexualidade não apimentada, de maneira que transamos no máximo 02 vezes por semana. Não posso negar que sou um pouco ciumento, mas tenho um diálogo aberto com minha esposa, e nunca omitimos nada do outro, mesmo que ela estivesse com tesão por um homem fora do nosso casamento.

Uma noite quando estávamos conversando, porque a Tina gosta muito de ouvir contos eróticos e acontecimentos no âmbito sexual que acontece com os amigos, deixando-a muito excitada.

E no meio do diálogo eu perguntei se ela tinha alguma fantasia sexual, e imediatamente ela refutou que não; no entanto grande foi a minha surpresa quando persistir, dizendo que não me importaria; e a Tina em confiança a minha pessoa, confessou que as vezes desejaria participar de um “Gang Bang”; e não sabendo o que era isso, ela explicou que era transar com cinco homens ao mesmo tempo, sendo duplamente penetrada fazendo sexo oral em outro homem, bem como outra pica sendo  esfregada nos peitos.

Ao terminar o diálogo, fiquei perplexo sentindo um frio na barriga, e sem a menor expressão; e por outro lado a Tina se arrependeu de ter compartilhado aquela fantasia. No entanto, eu a acalmei falando que não estava constrangido porque ela respondeu a minha pergunta, e não tinha nada demais. Depois desse evento, nos calamos por um tempo.

Chegando a semana em que a Tina faria aniversário, falei que daria um presente diferente; e tomada de muito curiosidade que é típico das mulheres; comentei que a levaria para participar de um “Gang  Bang” porque havia contratado cinco lindos homens e uma suíte luxuosa para comemorar.

A Tina pensando que era brincadeira da minha parte, e seria apenas uma suíte de motel, ficou muito feliz porque iria transar em um local diferente do rotineiro; e chegando o dia combinado ela estava pronta para batalha, depilada e vestida com um fio dental branco, calça skinny e um linda blusa cropped sem sutiãs, tendo o propósito de provocar ao máximo a minha libido.

Quando chegamos na suíte, ela estava sentada na cama  olhando para minha pessoa, esperando uma atitude, ao ponto de perguntar: “Nós viemos aqui para conversar”? Em resposta pedi para que ela estivesse calma; e foi nesse momento que entrou na suíte cinco homens lindos, verdadeiros deuses gregos, um a um passava por ela e dava beijos calientes em sua boca; a Tina não estava acreditando naquele episódio, e percebi que ela quase gozou somente em vê-los tirar as roupas. A minha esposa ficou sem ação, mas como estava nas mãos de profissionais, ele a pegaram com muito esmero e em meio a investidas eróticas, removeram todas as roupas do seu corpo a beijado em todas as partes, do orifício anal até a ponta da sua língua; chegando ao ponto dela gozar a primeira vez mesmo sem ter sido penetrada.

A princípio eu apenas olhava a sua fisionomia diante daquela invasão de intimidade; mas confesso que senti uma grande dor no coração ao ver um loiro de porte atlético que tinha um pênis com aproximadamente 20cm, bem carnudo e com a cabeça vermelha semelhante a um morango viçoso; e ele com muito carinho introduziu apenas a metade daquele instrumento de tortura dentro da buceta da Tina, pensei que seria muito dolorido, no entanto ela em um estupor de leviandade abraçou o loiro empurrando a  outra metade que não havia entrado, e gemendo como um carro de boi; desferia sons melancólicos de prazer; enquanto isso um moreno com a pica um pouco menor, a pegou por traz vindo uma dupla penetração, enquanto os outros chicoteavam com as picas por todo corpo dela, sempre parando na boca para receber um sexo oral.

Em meio a esse turbilhão de informações libidinosas, fui para uma parede espelhada que dava para ver aquele cenário de orgia, enquanto os que participavam não conseguiam saber se estava no local ou não.

Depois de vinte minutos e mais dois orgasmos, a Tina deu, por minha falta, a acreditando que eu não estava no ambiente, soltou-se completamente e participou de danças eróticas e diversa posições do Kama Sutra com aqueles profissionais do sexo, de maneira que ela estava totalmente lubrificada com sêmen daquele homens; e como gran  filale ela recebeu uma gozada das cinco picas dentro da sua buceta, sem falar que antes ela havia desfrutado de outros orgasmos por partes deles durante o sexo anal, oral e nos seios.

Finalmente, a Tina falou que era hora de parar, e cada um dos profissionais foram tomar banho saindo daquela suíte, enquanto ela ficou totalmente encharcada com o fluido daqueles meninos, adormecendo copiosamente com as suas forças exauridas.

Então, deitei ao seu lado, observando o seu corpo suado, além da vagina e o reto esfolado com aquela agressão prazerosa e inexplicável; de maneira que após uma hora ela acordou-se e tentou fazer amor comigo; mas falei que como ela estava completamente saciada, e quem sabe em casa. E assim fomos tomar banho logo após voltamos para casa.

Naquela noite a Tina estava com as entranhas com assadura devido ao sexo selvagem, chegando a dormir nua; mas não posso deixar de registar que no outro dia logo cedo, não dispensei uma transa demorada e recheada com muitos beijos e amassos, ao som de prazerosos gemidos de ambas as partes.

Assim fizemos uma vez uma loucura, e Tina falou que deixaria que a minha pessoa também desfrutasse de outras mulheres; mas teria que ser uma única vez e na sua presença. No entanto, não tenho essa fantasia porque a Tinha tem o poder de preencher todas as minhas necessidades sexuais e fantasias íntimas.

Aproveito as últimas linhas do meu conto para dizer que depois da orgia de Tina, percebi que tudo aconteceu na mente dela porque eu deixa muito a desejar, e passei a fazer sexo todos os dias, sempre buscando inovações somente entre nós; e se surgiu uma fantasia louca dentro da minha esposa, eu fui o responsável porque limitei a nossa vida sexual.

Mesmo levando esse chifre consentido, estou feliz porque serviu para despertar da minha negligência, confessando que não me orgulho dessa safadeza, mas depois disso passei a ser cuidado e feliz ao lado da minha esposa safada e gulosa por homens.

Afinal, desde o princípio da história elas fazem as suas mulherices!

W.M.C

0 0 votes
Avalie esse conto:
239 views

Contos Porno relacionados

Comentários

guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
© 2023 - Contos porno
0
Clique aqui para comentar esse conto!x