Comi a babá safada do meu filho

Eu comi a babá safada e gostosa do meu filho, minha mulher viajou e acabei caindo em tentação e comendo a gostosa que deu uma surra de buceta em mim.

Os contos são verídicos, alguns nomes das pessoas envolvidas serão modificados. Este fato ocorreu quando tinha 34 anos.

Contratei uma baba, ela veio do interior, trazida por uma conhecida, fui buscar a tabaroa na rodoviária.
Julia, 18 anos, morena, cabelos pretos emaranhados, peitos grandes, bunda grande, gostosa, tinha cara de safada.
A esposa sempre estava pegando no pé dela, por andar em casa de shortinho e sem sutiã.

Vamos direto ao que interessa, era época de São João, a esposa e o bacuri viajaram para Aracaju, ficamos eu e a babá em casa, na ausência da esposa a babá ficou atrevida, colocou shortinho bem curto, aparecendo a bochecha da bunda, não usava sutiã, quando passava por mim sempre dava um jeito de roçar os peitos ou a bunda, dava para sentir que os peitos eram bem duros.

Lavando roupa a safada deu um jeito de molhar a blusa, parecia que os bicos dos peitos iam furar a blusa, provocou o dia todo, a noite piorou, colocou uma blusinha fina e curta, mostrando o umbigo, se levantasse os braços os peitos apareciam, um shortinho de malha curto, bem ralinho, dava para ver que não usava calcinha, com desculpa que no quarto fazia calor colocou um colchonete na sala para dormir, fomos dormir, nada aconteceu naquele dia.

Acordei as seis da manha, com pau arrebentando de tesão, pensando nela, passei pela sala, para ir ao banheiro, ela estava com a bunda para cima, um dos peitos todo fora da blusa, não fechei a porta do banheiro, deu para ver pela greta que ela fingia estar dormindo, na volta ela estava em outra posição, de barriga para cima, os peitos todo fora da blusa, com as pernas abertas com uma boa parte da buceta a mostra, voltei para meu quarto, deitei e chamei ela.
Seja o que Deus quiser, deixei a mostra o pau duro, por baixo do short.

Comi a babá gostosa

– Julia,.. Julia,
Apareceu na porta do quarto,
– Oi Sr. Luiz.
Ela não tirava os olhos do pau, parece que ficou hipnotizada.
– Acorda menina.
– Desculpe Sr. Luiz, pra que o Sr. Me chamou?
– Já ate esqueci o que era, o que você esta olhando tanto?
– Nada não.
– Como não é nada, se você não tira os olhos de meu pau, quer pegar?
– Quero.
– Então pega logo.

Ajoelhou-se e puxou meu short, ficou admirando, pegou na rola, começou a massagear e colocou na boca, puxei-a para cima da cama, beijei-a na boca, ela mesma retirou o short e a blusa, minha mão no meio das pernas dela e a boca nos peitos, gemia engraçado, voltou a chupar minha rola, puxei-a pra cima, 69, que delicia, buceta novinha, pelinhos baixos, cheiro de buceta, saiu de cima e veio montar na pica, enterrou tudo, gemia muito, mexia como uma cobra, gozava rápido e logo partia para outra, tirei-a de cima e coloquei-a de quatro, que visão linda, pincelei a buceta e mandei pica para dentro, dei poucas bombadas e gozei, fomos cuidar da vida, almoçamos, fui descansar após o almoço, ela veio deitar também peladinha, terminamos fodendo de novo, comi a babá putinha, tinha muito fogo, comi a bundinha dela mesmo.

Os três dias que ficamos sozinhos ela só andava pela casa me pirraçando de calcinha enfiada na bunda, fodemos muito, comi a babá em todos os cantos da casa, quando não estávamos fodendo, ela ficava se fretando, era muito fogosa, o que mais fiquei admirado foram os peitos, eram grandes mais eram muito duros, até hoje quando lembro dela fico de pau duro.

Comi a babá
Comi a babá